WhatsApp
selo de 30 anos

Gestão de Carreira

} 5 minutos de leitura

Início » Blog de Empreendedorismo » Gestão de Carreira

Pensar na gestão de carreira é algo que tem me envolvido muito nos últimos meses. Uma curiosidade natural pelo tema importante para as organizações, mas que no caso, ganhou muita relevância por um motivo simples: a gestão da minha carreira! O desafio de casar felicidade e resultados é algo que já refleti aqui e se trata de balanceamento essencial. Contudo, pensar em como desenvolver as competências e compatibilizar a trajetória mereceu reflexões recentes que compartilho.

Recomendo o livro The Startup of You, que traz uma discussão muito adequada ao contexto atual da nova economia no sentido de entender as incertezas e as mudanças como parte contínua e inerente ao novo mercado de trabalho.

O Plano ABZ idealizado pelo autor é bem aderente. Fazendo uma visão histórica da minha carreira, vou tentar ilustrar a aplicação prática e deixo a recomendação da leitura do livro para quem quiser se aprofundar no aspecto “teórico” proposto pelo autor.

Minha formação em gestão pública e economia (e meu início de carreira focado como gestor público em Minas) parecia indicar um caminho certo de um profissional de ocupação no serviço público.

Quem me conhece já sabe que “para sempre” não é um bom lema e, definitivamente, não combina com os propósitos da geração atual.

Vale que seja eterno enquanto for recíproco, e o que motiva é o propósito.

O plano A (ser um gestor público) migrou para um plano B (ser um gestor na iniciativa privada), que acabou se traduzindo em atuar como consultor.

A mudança, portanto, não é uma grande guinada, pois o caminho e as competências que desenvolvi nos 6 anos no Governo de Minas foram no sentido de ser um gestor/executivo em temas variados: gestão por resultados, governança pública, planejamento estratégico e gestão de projetos.

Foram várias passagens de orgulho, gerenciando equipes e formando “famílias” com propósitos verdadeiros – Unidade de Indicadores e o Caderno de Indicadores, SECOPA e PPP Mineirão, Agenda de Melhorias no Estado para Resultados, etc.
O importante é que ao longo de toda minha trajetória como gestor público sempre desenvolvi competências que seriam úteis no Plano A, mas também no eventual Plano B (e dei sorte, na época não tinha isso com essa clareza).

Fiz um MBA em gestão no IBMEC, que me abriu o horizonte privado em meio à experiência pública (sempre no híbrido: meu trabalho final no MBA, por exemplo, foi sobre gestão por resultados na Educação).

Quando me envolvi com PPP (Parceria Público-Privada), vivi intensamente as duas dimensões, no exercício continuo de ser parceiro e se colocar na posição do outro.

Quando no final de 2015, resolvi viver uma nova mudança que culminou na minha decisão de ser mais executivo do que consultor e me envolver mais a fundo com um determinado negócio, vivi um novo Plano B.

Mais uma mudança marginal, um pequeno ajuste de enredo: um marketplace de Agronegócio! Uma vez mais, competências que já havia desenvolvido foram úteis: núcleo de gestão!

Mas também aprendizados de marketing, inovação e comunicação, seja da época da SECOPA, seja de algumas imersões específicas como curso EAD, “Developing Innovative Ideas for New Companies”, que fiz na University of Maryland, me deram base inicial.

A postura e o aprendizado acelerado ganham seu papel: em 90 dias, imersão em leituras, conversas, pesquisas e prática intensiva para dominar o novo desafio. Eis que a base do Plano ABZ se adensou!

A grande lição: estar aprendendo e ter senso crítico do seu movimento profissional.

Nisso tudo, a parte Z do plano eu ainda não vivi: uma mudança mais abrupta, uma saída de salvaguarda. Mas é algo possível no universo das nossas incertezas.

E certamente a base de competências e aprendizados é um ativo para ajudar mesmo nessa mudança em um cenário de dar “um passo para trás” e assumir menor risco.

E os aprendizados e contatos com outros universos também estão presentes e mantendo ampliação de horizontes: sou voluntário no Conselho de uma OS de Cultura, por exemplo.

Quando olho para trás tenho certeza que minha decisão de sair do setor público foi acertada. Importante: acertada para mim! Cada cabeça uma sentença!

Algema de ouro

O grande risco para qualquer carreira é se ver refém, ter que administrar sua algema de ouro.

Caso não tivesse saído do governo, estaria em 2016 em uma organização que não é focada em resultados, que não valoriza a gestão e o planejamento, e isso seria a morte profissional para mim: estaria desmotivado!

Um caso curioso: tenho um grande amigo que continua no Governo, e batendo papo outro dia, ele disse todo orgulhoso que tinha acabado de implementar um CRM. Eu não acreditei.

É algo que está em linha com meu desafio atual (implantamos na empresa de Marketplace do Agro que estou também), e enfim, venho fazendo imersão na ideia de visão do cliente (até participei do Customer Experience Summit).

Logo meu histórico e pragmatismo da época do setor público, vendo contexto atual em Minas, gerou de imediato a indagação sutil: DUVIDO! Fizeram um CRM focado no cidadão???? A resposta foi que…

Conteúdos Exclusivos

O objetivo é Ser Feliz

Talvez o desafio maior seja identificar o que nos faz feliz